Não sei se te esqueço, ou te guardo aqui no meu peito.

Raphael Henrique.  (via auroriar)

Meu amor, dia desses eu até chorei, e não era por medo de mim ou de ti. Era um misto de tensão e de alegria. Eu me senti como numa seção de achados e perdidos: mesmo que tenhamos nos achados, tenho medo de nos perdermos. Chorei porque o seu sorriso me arranca sensações que eu só via nos cinemas. Chorei porque provei de tanto cinismo que a sua sinceridade me ardeu os olhos antes de me acalmar e porque te encontrar abriu tantos caminhos que até me confundi entre eles. Lembro de uma vez ter escrito que nós não amamos por completo até o primeiro choro desesperador, que começa aparentemente do nada e se vai também do nada, sem consolo, apenas no escuro do quarto. Que eu te amo já se sabia, o que se sabe agora é que é desesperador. Não deixa a minha mão solta, não me larga pelo mundo, não descrê de nós. Não testa o meu desespero. Eu não quero saber de mim enquanto ainda posso saber de ti.

Camila Costa. (via morbidavel)

Estou segurando as minhas lágrimas amargas, eu te odiei por sua falta de piedade e pela traição das suas palavras. Mas como a vida é irônica nem com isso meu amor por você mudou. No entanto, eu sou cuidadosa: nunca deixaria ninguém me ver chorar.

A garota da capa vermelha.   (via rabiscador)

Se doeu tem que falar. Se incomodou tem que explicar. Se tá ruim tem que ajeitar. Se estragou tem que consertar. Ou então jogar fora. Entende? Não dá pra passar a vida inteira com as coisas entaladas na garganta, feito espinha de peixe que não desce e arranha toda vez que a gente engole.

Clarissa Côrrea.   (via abolinadora)

Cara, eu só queria te ver mostrando que precisa de mim, vez que outra. Que me amasse com ênfase nas vezes que não mereci ser amada. Porque, entre me sentir inútil só pra você e me sentir inútil pro resto do mundo, optei pela diversidade. Ok, não vou mentir, tenho sentimentos de estimação por você. Mas estou deixando de alimentá-los. Um dia eles morrem.

Gabito Nunes.   (via proliferes)