O celular tocou, era uma mensagem. O conteúdo era pequeno, dizia apenas “saudades”. Olhei o remetente e sorri de canto, mas não pelo motivo que você está pensando. Meu coração, quase parado lá dentro, sorriu comigo e disse: Que engraçado, eu nem lembrava mais de você.

Casebre.     (via conspirada)

Desculpa, é que você chora o tempo todo, e acha que precisa de alguém pra te fazer bem. Vai ouvir um disco legal, rir, ser sozinha um pouco.

Soulstripper. (via opostos)

Ela tem uma risada incrível. E sem querer ser um babaca, mas ela tem tudo pra ser perfeita. Mas não é, claro. Ela tem mil idiotices e chatices na bagagem. E ela tem medo de tudo. Tem um ar de menina independente, que não precisa de ninguém. Mas quando tá no escuro, ainda pede pra alguém abrir um pouquinho a porta e deixar a luz entrar. Ela tem vergonha até de ligar pra pizzaria pra pedir uma pizza, cara. Quem no mundo é assim? Mas ela é tão indiferente, que a minha diferença não afeta ela em nada. Eu acho que ela pode ser o mundo inteiro se ela quiser. E ela é teimosa. E guarda rancor na mala. Ela sabe perdoar, mas precisa de umas aulinhas de como esquecer. Quando ela desiste ou acha que sabe de tudo, não tem jeito. Meu Deus, que mania insuportável que ela tem de achar que pode burlar tudo o que mandam ela fazer. Porque ela nunca tá satisfeita com nada. Nadinha.

Robin and Stubb.   (via auroriar)

Você já se sentiu tão magoado e decepcionado a ponto de nem conseguir chorar?

O Diário de Katherine. (via cartasdesuicidio)
LEIA ATÉ O FINAL: Duas crianças estavam patinando sobre um lago congelado. De repente, o gelo se quebrou e uma delas caiu na água. A outra criança ao ver seu amigo se afogando, pegou uma pedra e com toda a sua força, começou a quebrar o gelo e conseguiu salvá-lo. Quando chegou o socorro, alguém perguntou: “Como conseguiu fazer isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo: suas mãos são muito pequenas.” E então, um ancião que estava perto disse: “Não havia ninguém ao seu lado para dizer-lhe que ele não seria capaz.”

Aviso: eu não sou legal. Não gosto de gente burra, que força intimidade nas primeiras conversas e de repetir a mesma coisa duas vezes ou ter que responder perguntar óbvias até pra uma porta. Não me apego a praticamente ninguém… Mas quando me apego, é pra valer. Sou o tipo de amigo que não tá sempre bem, mas tá sempre junto. Sou facilmente conquistado pela boca. Tenho mania de corrigir os outros (e ficar puto quando sou corrigido), ironizar tudo — o tempo todo — e sou bem chatinho. Eu gosto de cafuné, dormir de ladinho e de chupões no pescoço. Outra coisa: uma dose de grosseria é sempre bom.

Vinícius Kretek. (via restituivel)